sábado, 14 de fevereiro de 2009

DIA DOS NAMORADOS

(Cliquem em cima da imagem para lerem melhor)
Esta fotografia não ficou nada bem, foi tirada dentro de uma loja, com muitas luzes que reflectiam no quadro, o pano bordado (lenço do Minho) estava apenas seguro com fita-cola por trás, e com a agravante da “técnica” :-) da imagem ter feito apenas este clique para não “aborrecer” a simpática da “dona” que a deixou fotografar.
Obviamente não o comprei apesar de achar que o “lencinho” era uma maravilha!
Soube por uma reportagem que vi na TV, que estes lenços eram usados há muitos anos atrás, pelas raparigas do Minho, e que o deixavam cair quando simpatizavam com um “jovem bonito”. Por vezes ofereciam-lho quando este o apanhava, o que simbolizava que gostavam dele:-)

De Fernando Pessoa "O amor quando se revela":

O amor, quando se revela,
não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
não sabe o que há-de dizer.
Fala: parece que mente.
Cala: parece esquecer.

Ah, mas se ela adivinhasse,
se pudesse ouvir o olhar,
e se um olhar lhe bastasse
pra saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
quem quer dizer quanto sente
fica sem alma nem fala,
fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
o que não lhe ouso contar,
já não terei que falar-lhe
porque lhe estou a falar...

8 comentários:

Agulheta disse...

Querida amiga! assim é e tudo bem explicado aqui,a poesia que se enquadra no dia,o amor é lindo! eu não atirei o lenço,mas o olhar maroto e fiquei logo caidinha por ele,e dura até hoje felizmente.
Bom dia do amor" felicidade e namora muito,ou menos isto ainda não paga imposto.
Beijinho bfs
Lisa

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDA ANA, BELA POSTAGEM AMIGA... O LENCINHO E OS POEMAS MAIS A BELA IMFORMAÇÃO... TUDO UMA MARAVILHA... PARABÉNS!!
UM ABRAÇO DE CARINHO,
FERNANDINHA

Multiolhares disse...

O amor inventa até lencinhos para serem apanhados, assim era há muitos anos atras
beijinhos

JOSÉ FARIA disse...

Olá amiga Ana.
Pois quando o amor acontece, o coração está presente, aquece e estremece com ou sem lencinho.
Olha, já fúi ao "EU HO", e com a preça de escrever deixei umas gralhas ortograficas que só reparei depois de publicar.
Não quis anular, porque fica mal e entende-se perfeitamente a mensagem.
Bom domingo.

Teresa Calcao disse...

Ola Amiguita,
Muito interessante o teu post de hoje.....desconhecia tanto a do lencinho como o poema.....sempre a aprender!
Happy Valentine's Day!!!!!!!!!
Beijinho doce

Espaço do João disse...

Se eu penso, logo existo. Para mim há 42 anos que é dia de S. Valentim. Gostaria que todos tivessem a mesma sorte de ter uma companheira para as horas boas e más como eu tenho. Desejo a todos que o S. Valentim não se esqueça deles.

poetaeusou . . . disse...

*
aqui vai o lenço,
aqui fica lenço.
quem o apanhar,
terá que casar,
aqui vou esconde-lo
para a Ana vê-lo,
,
brisas de lenços, envio,
,
*

Liar disse...

São giríssimos estes lenços do Minho, tenho um que adoro!

E esse lenços têem um particularidade que sãop os erros ortográficos que eram normais, porque todos aqueles versos eram escritos por raparigas do campo, com poucos ou nenhuns estudos. E ainda hoje os lenços mais procurados são os que contêm esses erros, porque isso lhes dá uma genuinidade muito especial.

No teu blogue eu escrevo
E fico deliSSiada
E os lenços do Minho
Deixam-me MaraBilhada! ((*_~)))

Bjinhossss

Céci